Artigos do Presidente da Adesf
QÜIPROQUÓ DA FUMAÇA
 
Mário Albanese

Qüiproquó era o nome de um antigo receituário farmacêutico para orientar a substituição de um medicamento receitado e não existente. Originada da locução latina qui pro quo, tornou-se o substantivo qüiproquó que significa interpretar uma coisa por outra e a confusão criada por essa troca. O significado das palavras muda, contínua e ativamente, de acordo com o ritmo da vida. Hoje qüiproquó significa, erro, engano, equívoco, um trocadilho para confundir.

Há mais de meio século as tabaqueiras criam qüiproquó e confundem a opinião pública afirmando que fumo passivo é balela, que fumar é hábito e não vício, que o cigarro é um produto lícito, que fuma quem quer e pára quando quer...

Esses, entre outros tantos, são trocadilhos ardilosos para enganar e embaralhar a mente dos incautos consumidores de tabaco. Assim, apregoar liberdade e direito de opção para quem é escravo da nicotina, é fazer propaganda enganosa e abusiva criando qüiproquó! Assim, apregoar liberdade e decisão para quem é fumante e escravo da nicotina é fazer propaganda enganosa e criar qüiproquó! Ora, parar de fumar é tão difícil que nem com aconselhamento médico, acompanhamento psicológico e tratamento, os fumantes param! Estudo da Universidade de Harvard pesquisou por trinta e dois anos (32), doze (12) mil fumantes e concluiu que os fumantes abandonam o cigarro quando contagiados no exemplo vitorioso de outros. Os cientistas chamaram essa reação de fenômeno da segunda onda. De fato, quando se joga uma pedra na água, seu impacto gera outras ondas cada vez mais amplas. O princípio de auto ajuda do grupo de Fumantes Anônimos vem obtendo resultados animadores e, de graça! O fumante precisa ter a humildade de reconhecer-se um doente crônico viciado em nicotina! A partir daí, sua guerra pessoal será entender o qüiproquó que a fissura por nicotina provoca no organismo. É hora de agir, com firmeza e responsabilidade, aproveitando o esforço social coletivo. Sua saúde não tem preço! O pensamento cria o desejo atrai e a fé no trabalho realiza!

Acreditando que o desejo atrai e a fé no trabalho realiza, a ADESF conta com seu imprescindível apoio.

Com particular consideração,

Mário Albanese, OAB 11.159 - Presidente

voltar